sexta-feira, 23 de novembro de 2007


Mundo Virtual.

Hoje, estou precisando falar sobre este tema.
A internete ganhou uma dimensão de uma monta que agora as autoridades estão preocupadas com as mazelas, benefícios, etc..
Vejam que as notícias chegam a cada dia até, através dos meios de comunicação, dando conta de crimes, seqüestros, ilusão amorosa, etc.
Por outro lado, existem sites de pesquisas interessantes, vídeos para todas as áreas e lazer, que faz voce perder horas a fio em frente a uma tela fria, todavia, mas interativa do que a própria televisão aberta.
Então, não há o que se preocupar?
Certo?
Não, há sim, vejo com muita preocupação para nossas famílias esta liberdade excessiva, em vista de que não há um controle ainda eficaz para adentrar-se em site improdutivo, de relacionamento e afins que os nossos filhos transitam livremente.
Acrescento ainda, que o ser humano é carente de afeto e, por muitas das vezes, isso em relação a pessoas adultas, agarram-se numa mensagem ou até num simples olhar por um webcam, para apaixonar-se por uma pessoa que nem conhece e, deixa o ser humano que está ao seu lado, querendo sua atenção, mas a internete não deixa, já que ela emana um poder magnético de atração.
É, então, a preocupação seria você pode está me perguntando de jovens verem o que não podem e casais que se desfazem por culpa da internete?
Não, explico no primeiro, o controle pode ficar, pelo menos até que não se criam um mecanismo para que nossas crianças não tenham acesso a sites que não devem ver, a cargo dos pais.
No, segundo, vejo apenas como uma nova opção, a traição virtual, mais segura e, ao mesmo tempo a mais perigosa, sim, por que você deposita confiança numa pessoa que conhece na virtualidade e, seguramente deixa se levar e, apaixona-se e, logicamente que vai querer ter contato com esta pessoa no mundo, real, se for casado, está caracterizado uma nova modalidade.
E a, família destruída ou, melhor, com a separação, quem sabe?
No entanto, a minha preocupação é dimensional a estes fatores, ou seja, devemos criar leis para o melhor controle de sites de relacionamentos, de vídeos, músicas, de compras de domínio e de provedor, blogs, enfim uma filtragem não podendo ser considerado como censura, para que, possamos ter uma virtualidade mais próxima da realidade, de ter ciência de que aquelas pessoa que você está conversando existe e, se não é um criminoso.
Mas, você poderia me perguntar, no mundo real existe tudo isso, ou seja, nossos jovens transitam livremente por lugares não permitidos, criminalidade, traição e, destruição de famílias?
Sei, é verdade respondo, entretanto, perguntando a você também, será que devemos esperar que o mundo virtual chegue a um patamar de violência, como hoje está no mundo real?
Você pense e, responda.
Só não podemos ficar de braço cruzado esperando crescer para então organizar movimentos, fiscalização, etc.
Pensem nisso.
Abraços,
Jorge Guimarães
Advogado

domingo, 18 de novembro de 2007

É proibido


É proibido.

Quando era mais jovem, na época de minha infância esta palavra tinha um sentido forte, hoje, no entanto nos dias atuais, ela não tem mais sentido ou, tem?
Veja bem, nos tempos de outrora, quando se deparava com esta palavra de imediato sabíamos que não poderíamos fazer algo que estávamos querendo executar.
Posso citar alguns exemplos, tipo: é proibido pintar este muro, proibido sentar-se neste banco, proibido entrar sem ser convidado, etc. As, crianças, por arte de vez em quando ignorava esta palavra, mas os adultos de imediato repreendiam, todavia, eles, os referidos adultos, respeitavam.
Tinha sim um ou outro que não, mas num percentual quase sem percepção e, os que não aceitavam esta ordem disciplinar eram sancionados.
Hoje, com o desenvolvimento, já que naquela época não existia internete, televisão de controle remoto, antena parabólica ou, a cabo, televisão fechada ou aberta, era para ser evoluído o sentido desta palavra.
Como exemplo, é proibido roubar dinheiro público, de enganar o povo, de falsas promessas, de desviar atenção para longe dos olhos do povo dos atos de improbidade administrativa, de comprar voto.
Então, o desenvolvimento, parece à primeira vista que aperfeiçou o desrespeito as leis, não merecendo prosperar o acolhimento desta palavra, portanto, deveria, então, ser retirada do nosso dicionário e do nosso vernáculo que usamos diariamente, pois se tornou inútil, sem utilidade.
Olha, sou otimista, luto a qualquer custo por um mundo melhor, todavia, temos que fazer a nossa parte, porque pecamos até em relação aos nossos filhos, hoje eles, não sabem mais também o significado desta palavra, até porque evitamos usá-la contra eles, por amor, proteção ou, até porque não temos mais tempo de conversar com as nossas crianças e, temos receio de represália deles contra nós.
E, impulsionado pela televisão, que deveria ser um meio de comunicação para servir de orientação neste sentido, nós e eles, só assistimos roubalheiras, assassinatos, tudo que é proibido sendo descumprindo.
Urge, então, reformularmos a nossa forma de ser e, com democracia, mostrar aos nossos, o significado e a essência desta palavra, para que, no futuro próximo ela volte a reinar e ter sentido em nossas mentes e, assim estaremos, também com esta atitude em direção de transformar este País, sabendo usá-la na hora certa e no momento exato, como exemplo: é proibido votar nestes ladrões do nosso dinheiro.
Quer mudar o nosso País, peça ao seu filho que tire o título, fale com ele, com seu vizinho e, com todos do rol de seus amigos pessoais ou até virtuais, para que, possamos resgatar a nossa dignidade usando esta palavra em bom tom e alto e, desta forma teremos com toda certeza um mundo habitável para ser viver.
É PROIBIDO VOTAR EM POLITICOS PROFISSIONAIS
É PROBIDO COMPRAR VOTOS
É PROIBIDO DE VOCE NÃO PENSAR NESTE ASSUNTO.

Até mais.

Jorge Guimarães
Advogado

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

O sol brilha para todos!!!


Lógico, a primeira vista é que vem a mente, todavia, nós precisamos ficar visíveis para que possamos receber seus raios.
Mas, você pode perguntar, não entendi esta lógica?
Eu tentarei explicar, veja:
A maioria do povo brasileiro vive na margem da linha da pobreza ou, até abaixo, mas o sol também para estas pessoas, então por que eles não conseguem receber seus raios?
Você já deve ter ouvido falar de pobre não vota em pobre ou, o rio só corre para o mar, com certeza que sim. Pois bem, em outras palavras, singelas e objetivas, o sol é de todos, os sonhos são realizáveis, oportunidade também, no entanto a transformação tem que vir de dentro, ou seja, o pobre, excluído, miserável ou qualquer outra nomenclatura ou conotação, deve pensar e repensar em suas atitudes, deve não fazer a sua projeção ou reflexo nas pessoas ricas, deve sim, com dignidade buscar o que é lhe pertence e, parar de lamentar-se.
Você, também já deve ter ouvido que eu não tenho sorte ou, o mar não está para peixe. Ora, o sol brilha para todos.
Nós somos a maioria, com exceção dos formadores de opiniões que não são manobrados pela elite, porque, o excluído que mais precisa deixa se levar por promessas que já se tornou rotina, saúde, educação, segurança, emprego, salário digno, etc..
Aplaude esta elite quando passam em suas ruas com esgoto aberto e, ainda correm para apertar a mão deles, veja bem, o sol brilha para todos.
Mas, o pior é quando segura uma bandeira para ganhar R$10,00 ou, vende seu voto por um botijão de gás.
Veja a massa manobrada por estes valores recebidos ou favores, deixam esta elite no poder eternamente e, com todas as letras, afirmo que nunca irão querer a mudança, na mais ampla acepção da palavra e do seu sentido, até porque perderiam seus empregos, concordam?
Você, perguntaria, mas, esta massa manobrada tem fome, sim tem, mas também tem estrela, tem mente, coração, vontade é que lhe falta para que possa ser atingido pelo raio do sol e, junto com a elite digna resgatar sua identidade, recebendo assim os benefícios não só pessoal, mas notadamente na coletividade.
Nós somos a maioria e, vencidos por uma minoria que detém o Poder, através do dinheiro, não deixando emergir a alternância para pessoas dignas possam efetivamente realizar projetos voltados para o social.
Por outra banda, vem à pergunta, o pobre voltou num pobre para Presidente e, eu devolvo a pergunta, será mesmo que este Presidente era pobre? Considerando, anos que vinha disputando as eleições, só recebendo dinheiro de sua aposentadoria?
Você conseguiu visualizar que o nosso Presidente só conseguiu ser eleito tendo na sua chapa um vice-presidente, empresário e industrial do ramo têxtil, e, políticos de carreira.
O sol brilhou, mas infelizmente não soube usar esta luz para a coletividade, honrando o seu povo de onde veio, mas continua querendo mais, ocupando os espaços e, deixando nós na sombra.
O SOL É DE TODOS.
Então, saia, mexa-se e, converse com esta massa manobrada que ela tem valor, que ela é maioria, estrela e, que pode receber estes raios solares também, no entanto não deixando se levar pelo estrelato do poder, fama e dinheiro. Façamos, a nossa parte, por amor a uma causa e, não em benefício próprio. O SOL BRILHA PARA TODOS! Vamos receber seus raios, mas agir com dignidade e, vontade de mudar este Brasil de verdade e, assim todos possam receber com dignidade a luz solar.
Até mais.
Jorge Guimarães
Advogado

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Terceiro mandato????? ACORDA BRASIL!!!!!!!

Esta notícia me deixa um pouco preocupado, em vista do presidente da venezuela, amigo do nosso, querer mudar a constituição do País em que é o comandante maior que o povo escolheu.
Ele, o nosso, consultado à respeito diz que não sabe nada e , ainda afirma que é contra, mas o passado me deixa apreensivo.
Terceiro mandato, para que?
Pelo poder? simplesmente?
Ora, venhamos não nunca soube de nada, aliás tenta e consegue passar esta parabóla para a massa, será que o povo, nós, ainda acreditamos num homem que era operário? considerando, que disse "a esperança venceu o medo", de que nada sabia sobre o que estava acontecendo com as roubalheiras palacianas, que era a favor da greve, cpi e contra cpmf e, agora muda de lado, ou melhor pensa ao contrário , bem como oferece ministérios para os partidos fortes e, assim poder ficar perpetuar no seu desmando. Continuar, para fazer o que? viajando? conhecendo o mundo?
Terceiro mandato é um golpe, temos que acordar, pois daqui a pouco ele , o nosso Presidente irá fechar o congresso e, juntamente com seu amigo da venezuela, disputar o título de ditador da américa latina, concorrendo em substituição ao todo poderoso Fidel Castro.
Será que nós brasileiros esquecemos de tudo, ou seja, do mensalão, das malas, da cueca, manipulação de jogos de loterias, do salário mínimo prometido, taxação dos aposentados, dos correios, influência de Renan Calheiros para arcar com seu compromisso pessoal usando dinheiro da inciativa privada, do aumento da violência por falta de oportunidade, da miséria, da fome, da guerra civil instalada no Rio de Janeiro pelo crime organizado, da falta de capacitação para os nossos jovens excluídos para enfrentar a oprotunidade ao primeiro emprego em igualdade de dieritos, enfim de toda esta nojeira, não acredito.
Temos, que colocar a nossa voz na Rua e, gritar contra este terceiro mandato, lá não é emprego, aliás tem muitos que estão lá que se sairem não sabem fazer mais nada e, terão que viver de rendas usando o dinheiro público que pertence a mim, a voce e a todos, espero que possamos acordar, unir força com cara pintada ou não e, não deixar a massa acreditar neste homem que se faz passar de bom moço para simpatia e , asim consolidar seu plano, preparando o terreno para dá continuídade e, quem sabe nascer este ditador que relatei acima, acredito nesta versão, pois , o nosso operário, na atualidade Presidente, provou e gostou e, quer ficar sim ou, será que tem alguém ainda que acredita que ele não sabe de nada?.
Acorda Brasil!!!!.
Até mais.
Abraços,
Jorge Guimarães
Advogado

sábado, 3 de novembro de 2007

Entrevista concedida no Jornal de Natal - RN



ENTREVISTA

Impunidade: “Reduto dos Corruptos”.

Marcos Bezerra
Jornalista

Doutor Jorge Guimarães, advogado, ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos OAB/RN, ex-professor de Direito e Legislação, ex-Coordenador da Assistência Criminal da OAB/RN, ex-integrante como membro da Comissão de Direitos Ambientais/RJ e, atualmente, segundo vice-presidente da Comissão Provisória Municipal do PSDC (Partido Social Democrata Cristão).
“Os mecanismos processuais deixam expor e alimenta o círculo vicioso da impunidade que gera a corrupção, o político desonesto no poder e mantém o aumento gradativo da violência que assola o nosso país”, Jorge Guimarães.
A inconformidade do doutor Jorge Guimarães, na condição de advogado criminalista militante, com todo esse processo de impunidade, pelo qual o Brasil vem vivenciando, faz com que ele venha a público e exponha os seus pensamentos em relação a tal prática, apoiada por brechas na lei, que tão mal faz à população e atrasa o desenvolvimento do país.

Jornal de Natal – Doutor Jorge Guimarães, diante do quadro instalado no Brasil em relação aos atos de corrupção política, que tem como desfecho a impunidade, o que o senhor pensa a respeito?
Jorge Guimarães – Em minha opinião existe a falta de um poder concreto expresso por leis mais objetivas que façam cumprir a aplicabilidade da própria essência da lei. Sendo respeitado o direito ao contraditório, ampla defesa e a presunção da inocência.

JN – Já que estamos falando de impunidade e corrupção, por que a aplicabilidade da lei não alcança de imediato, por exemplo, o caso Renan Calheiros, “Operação Impacto” na Câmara Municipal do Natal com suposto recebimentos de propinas por parte de alguns vereadores, práticas de licitações viciadas e desvios de verbas públicas “folioduto” entre outros?
Jorge Guimarães – Olha, veja bem! É paradoxal afirmar que a impunidade não alcança esses casos citados e ao mesmo tempo pedir a aplicabilidade da lei. Pois sempre a visão lúcida jurídica, em nosso direito contemporâneo, deve e tem que respeitar os princípios da defesa técnica propriamente dita. Por outro lado, vale destacar que esses mecanismos processuais, permitidos pelo nosso ordenamento jurídico, é que travam a possibilidade de uma decisão mais célere.

JN – Então a caduquice desses mecanismos processuais inseridos no Código Penal Brasileiro são os responsáveis por todas as mazelas jurídicas do país? É por isso que rico fica impune e pobre vai para a cadeia?
Jorge Guimarães – Primeiro: não sou jurista para analisar a fundo sobre essas responsabilidades. No entanto, como advogado militante, na seara criminal, a minha visão sempre foi pelo direito penal mínimo para crimes leves (dependendo da periculosidade do agente). No que diz respeito ao rico e pobre receberem tratamentos diferentes, o diferencial é que a pessoa mais abastada tem uma banca de escritórios de advogados à sua disposição para faz uso desses mecanismos processuais. Enquanto o pobre fica a mercê do Estado lhe indicar um defensor público ou, muitas vezes advogados dativos atendendo pedidos de Juízes, nos corredores dos tribunais, para patrocinar a defesa dos mesmos.

JN – Pelo visto se depender desses mecanismos processuais, acima citados, quem tem dinheiro não vai ser condenado nunca. Então, o que fazer para acabar com a impunidade e colocar os corruptos na detenção?
Jorge Guimarães – É preciso se ter em mente que o direito e os mecanismos processuais são para todos. O que acontece é que os que estão mais bem assessorados podem até ir preso antes de serem julgados pelos crimes praticados. Todavia, eles lá não ficam por muito tempo em função justamente das condições financeiras de pagar essas assessorias jurídicas altamente qualificadas. Não querendo dizer que os nobres defensores dos menos favorecidos não façam a mesma prática jurídica. Agora para colocar corruptos na cadeia é necessária a aplicabilidade da lei e legislações novas que não permitam procrastinação dos feitos criminais.


ENTREVISTA

Impunidade: “Reduto dos Corruptos”.

Marcos Bezerra
Jornalista

Doutor Jorge Guimarães, advogado, ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos OAB/RN, ex-professor de Direito e Legislação, ex-Coordenador da Assistência Criminal da OAB/RN, ex-integrante como membro da Comissão de Direitos Ambientais/RJ e, atualmente, segundo vice-presidente da Comissão Provisória Municipal do PSDC (Partido Social Democrata Cristão).
“Os mecanismos processuais deixam expor e alimenta o círculo vicioso da impunidade que gera a corrupção, o político desonesto no poder e mantém o aumento gradativo da violência que assola o nosso país”, Jorge Guimarães.
A inconformidade do doutor Jorge Guimarães, na condição de advogado criminalista militante, com todo esse processo de impunidade, pelo qual o Brasil vem vivenciando, faz com que ele venha a público e exponha os seus pensamentos em relação a tal prática, apoiada por brechas na lei, que tão mal faz à população e atrasa o desenvolvimento do país.

Jornal de Natal – Doutor Jorge Guimarães, diante do quadro instalado no Brasil em relação aos atos de corrupção política, que tem como desfecho a impunidade, o que o senhor pensa a respeito?
Jorge Guimarães – Em minha opinião existe a falta de um poder concreto expresso por leis mais objetivas que façam cumprir a aplicabilidade da própria essência da lei. Sendo respeitado o direito ao contraditório, ampla defesa e a presunção da inocência.

JN – Já que estamos falando de impunidade e corrupção, por que a aplicabilidade da lei não alcança de imediato, por exemplo, o caso Renan Calheiros, “Operação Impacto” na Câmara Municipal do Natal com suposto recebimentos de propinas por parte de alguns vereadores, práticas de licitações viciadas e desvios de verbas públicas “folioduto” entre outros?
Jorge Guimarães – Olha, veja bem! É paradoxal afirmar que a impunidade não alcança esses casos citados e ao mesmo tempo pedir a aplicabilidade da lei. Pois sempre a visão lúcida jurídica, em nosso direito contemporâneo, deve e tem que respeitar os princípios da defesa técnica propriamente dita. Por outro lado, vale destacar que esses mecanismos processuais, permitidos pelo nosso ordenamento jurídico, é que travam a possibilidade de uma decisão mais célere.

JN – Então a caduquice desses mecanismos processuais inseridos no Código Penal Brasileiro são os responsáveis por todas as mazelas jurídicas do país? É por isso que rico fica impune e pobre vai para a cadeia?
Jorge Guimarães – Primeiro: não sou jurista para analisar a fundo sobre essas responsabilidades. No entanto, como advogado militante, na seara criminal, a minha visão sempre foi pelo direito penal mínimo para crimes leves (dependendo da periculosidade do agente). No que diz respeito ao rico e pobre receberem tratamentos diferentes, o diferencial é que a pessoa mais abastada tem uma banca de escritórios de advogados à sua disposição para faz uso desses mecanismos processuais. Enquanto o pobre fica a mercê do Estado lhe indicar um defensor público ou, muitas vezes advogados dativos atendendo pedidos de Juízes, nos corredores dos tribunais, para patrocinar a defesa dos mesmos.

JN – Pelo visto se depender desses mecanismos processuais, acima citados, quem tem dinheiro não vai ser condenado nunca. Então, o que fazer para acabar com a impunidade e colocar os corruptos na detenção?
Jorge Guimarães – É preciso se ter em mente que o direito e os mecanismos processuais são para todos. O que acontece é que os que estão mais bem assessorados podem até ir preso antes de serem julgados pelos crimes praticados. Todavia, eles lá não ficam por muito tempo em função justamente das condições financeiras de pagar essas assessorias jurídicas altamente qualificadas. Não querendo dizer que os nobres defensores dos menos favorecidos não façam a mesma prática jurídica. Agora para colocar corruptos na cadeia é necessária a aplicabilidade da lei e legislações novas que não permitam procrastinação dos feitos criminais.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007


ARTE DE VIVER
Jorge Guimarães
Advogado e Segundo Vice-Presidente Municipal do PSDC em Natal/RN

Viver é uma arte para poucos. Mas para muitos, a arte de viver tem se tornado um verdadeiro calvário. Pois falta tudo. Falta saúde, educação emprego e renda, segurança, transporte e acesso aos bens de cunho social que é dever do estado.
Ficou surpreso?
Explico: é que perante a Constituição Brasileira, todos são iguais perante a lei, a Deus e o acesso às oportunidades. Fico imaginando uma pessoa com fome, pobre e sem nada. Essa pessoa é uma excluída pelo sistema que deveria apoiá-la e garantir seus direitos constitucionais. Não ter acesso, é ser condenado sem direito a defesa.
Já parou para pensar em não ter o que comer um dia apenas e ainda ter forças para sorrir, conversar e assistir ladrões do colarinho branco não sendo condenados pela justiça e ainda se transformando em astro dos noticiários da TV.
É meus amigos e amigas é uma arte de humor negro. Arte que as elites são os diretores e nós somos os personagens. Arte que eles preparam a peça e nós dançamos o bolero.
Viver é arte, então esta arte é vida? Ou sobrevida? Não sei. Mas o espetáculo, ou seja, a peça não pode parar. Só se algum personagem tiver que morrer ou ele morrer de fome. Mas, isso não é arte. É brincar com o sofrimento do ser humano.
Você conseguiu visualizar e entender? Que bom! Menos um fora deste circo. Mesmo com fome, sem educação, saúde e emprego, não seja personagem desta peça. Siga a arte que vem da alegria para todos e que você não seja usado.
Mas eles são os donos do teatro. Entretanto, se eles não nos tiverem como atores o espetáculo irá sair de cena e eles serão impedidos de continuarem a rir e aplaudir a nossa ignorância. Evitando, dessa forma, que eles, os donos do poder, nos vejam dia a dia um morrendo de fome. Ah, se todos conseguissem entender essa arte negra defendida pelas elites do capitalismo selvagem! É se não houver conscientização, eles vão continuar aplaudindo a nossa desgraça, com toda ênfase, de nós atores desse picadeiro pertencente ao verdadeiro purgatório circense terráqueo. Vocês (nós) querem esta arte? A Arte da enganação e da opressão pelo poder econômico e ideológico.
Então, dê o troco, fuja desse teatro, você tem um ticket de passagem em sua carteira lembrou? Não? Você pega nele de quatro em quatro anos. E agora, lembrou? É isso mesmo: seu título de eleitor. A sua grande ferramenta de transformação social ao qual estamos inseridos.
Que bom! Você ainda está vivo conseguiu resistir.
Seja você o diretor ou até o dono do teatro. É só querer. Basta apenas um toque do seu dedo nos teclados da urna eletrônica, votando com a razão e não pela emoção, para que a verdadeira arte e esperança de dias melhores renasça. a não ser que queira ser sempre o astro deste filme nojento e, faça da sua vida uma arte para poucos rirem, aplaudirem e, quatro anos depois retornarem e você voltar a ser o personagem principal conhecido como:”o bobo da corte”.

MURAL

MURAL

AR PURO: NATUREZA/SOL = VIDA

AR PURO: NATUREZA/SOL = VIDA

ENTREVISTAS COM JÔ SOARES

Loading...

NATUREZA

NATUREZA